segunda-feira, outubro 09, 2006

O vidrinho e a elefanta

Não apago nada, por enquanto. Quando acontecerem coisas que me mereçam censura, censurá-las-ei com a mesma serena convicção com que faço tudo menos fretes. Como digo no blogue, sou apóstata e, em consequência, perdi o derradeiro refúgio - deus. Blogo porque existo e quero fazê-lo no plural.

Não sou nenhuma instituição nem democrática nem caritativa. Mas aprecio a crítica, a mordacidade (não confundir com “amordacidade”), a inteligência e mais uma quantidade de coisas que seria ocioso pretender enumerar. A intenção foi e é ter Gente a participar comigo nesta aventura contemporânea que é este imenso jornal global. Discutir é-me tão fundamental como respirar. Toda a vida o fiz e quero continuar.

Sou é pouco versado na técnica necessária,.Tão pouco que já lancei um apelo no blogue a mendigar ajuda. O que vêem é o resultado calamitoso de uma brutal teimosia. Confesso que estranhei a falta de comentários. Não tenho amigos amorfos e estamos habituados a esgrimir opiniões. Uma mensagem de uma amiga indecisa entre mágoa e fleuma:

“coloquei um comment no teu blog, mas apagaste...censurado??? sem sentido de
humor? ou persistindo no totalitarismo que te caracteriza, mascarado por uma
tolerância que não convence, e uma raivazinha contida de quem está deveras
enfartado clinica e humanamente?
estava a brincar contigo sobre o blog. aliás gostei da estética, não tive
tempo para ver a prosa, mas nisso sou deveras exigente, e como tu és um
vidrinho...”

decidiu-me. Fui investigar e…

De facto! Parece-me que estava mal configurado. Aceitei as opções originais e creio que apenas os autores (eu) poderiam comentar (o que me situa abaixo do nível democrático de Mussolini). Enfim, já seleccionei a opção correspondente a “toda a gente”. Portanto minhas línguas de prata toca a comentar (e, se não funcionar façam como esta amiga, e-mailem-me insultos carregados de mimo) .

1 comentário:

Andre disse...

Vivam os blogs! Vivam os comentários! E por último viva a democracia! (confesso que actualmente este último viva dá que pensar). E se a democracia é o pior de todos os sistemas à excepção de todos os outros, o que são os blogs? Fica o desafio.